quinta-feira, 21 de abril de 2016

frio norte

sorriso vago
cabelo em ventania
na alma música
coração em sintonia
caminhar lento pra adormecer o dia
na fraca chuva que caía...

figura plena
sincera companhia
presença do acaso ao sabor
na cor do céu pintado pra depois
da chuva... do sol... do frio norte que amanhecia...





andamos juntos

não moldo teu rosto
teu passo
teu abraço...

contemplo tua fisionomia
teu olhar
tua expressão...

sinto teu cheiro
teu calor
tua carícia...

andamos juntos
quem sabe na mesma direção...

chuva a tamborilar no telhado

chuva no telhado também lava alma
acalma espírito
esperanceia o futuro
se vocábulo inexiste... não importa...
importante a vida
vencer a lida
recomeçar a cada momento
agradecer ao vento refrescante
sobreviver às humanas tempestades
às falácias politiqueiras que assolam o país
roubam nosso direito
enchem de tristeza brasileiro coração...

ganância
intolerância
falsidade
inverdade
oportunismo
vocábulos indesejados
que os leve a chuva a tamborilar no telhado...





terça-feira, 12 de abril de 2016

união com o universo

corpo um tanto cansado
olhos quase adormecidos
não fazem diferença
lúcido espírito vigia
na companhia das estrelas
encontradas na noite abençoada...

bendito despertar nas alturas
figuras desencontradas não ferem a madrugada
pasmadas de espanto se embaralham
se calam
ou gritam desamparadas
não entendem mais nada...

por certo entendimento não se faz
a quem não o merece
crescem olhos esbugalhados
assombrados...

por detrás das nuvens sol se mostra devagar
pegar nas mãos a vida
fazê-la forte
descontraída
na lida
na comemoração
em total união com o universo...

quarta-feira, 6 de abril de 2016

outono molhado

chuvarada
trovões na madrugada
outono molhado
dias nublados
saudade de céu de infinito azul...

lava firmamento
chuva
varre tempo pé de vento...

mentes nubladas
agora lavadas
clareiam no dia gris...

corações pesados de poeira
encharcados
perdem as estribeiras...

rio riso largo
trago no peito vontades de chuvas
de tempestades
de ventanias...

avessos às mesmices
entardecem cedo os dias
ensombrecem ao prazer da hora
deságuam mágoas
trovejam decisões
arejam mentes
celebram corações em sintonia...

magia pura
sem cerimônia de ser outono
assim outonado
assim nublado
enchuvarado
entrovejado
ensimesmado pra uns
pra outros alucinado...