sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

champagne me traz

champagne me traz
apraz-me sempre aqui estar
encobrir
mostrar
sonhar
radicalizar...

oh...tempo
senhor de tudo
do olfato à visão
das rimas à compreensão
do coração ao descompasso
do abraço...

melhor sair
quem sabe fugir
da política
da crítica
da vergonha de latina ser
oh...não quero isso dizer...

na infância aprendi
educação
respeito
sinceridade
verdade
por que só vejo falsidade...

lugares de respeitabilidade
viraram circo
rabisco um poema
capenga
não quero crer
não quero ver...

esse não é meu país
esse não é meu sonho
quero acordar
é pesadelo...


segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

aprendiz de outro lugar

frio inverno se foi
primavera anda alta
frescor matinal acalma
memória na frescura
sente na pele doçura
revive dias iguais
outonais sabores
cores inesquecíveis
dança de folhas no ar
aragem do norte sentida
passos firmes...decidida...
vida...vida... te vivo assim...
te abraço...te enlaço feliz
aprendiz de outro lugar
de inesquecível sonhar...

cantar alegre

lugar de expressão da alma
jeito raso
profunda compreensão
intenção plena
atenta sinfonia
do espírito
em ampla entoação...

cantar alegre
rir fartamente
demente
ao vento
alto
ínfimo resto...

quanto
tanto fere alegria
ao ímpio
ao pó
ao só
ao trôpego de filosofia...




outras... as artimanhas... talvez...

surpreendo-me ainda
com fazer-se interessado
com esquecimento dissimulado
com discurso retorcido
com cera no ouvido...

surpreendo-me ainda
com falta de comprometimento
ações ao vento...

surpreendo-me ainda
compreensão
nâo a tenho
pra entrar na escuridão
emaranhada relação...

caminho por outra estrada...
teto não foi o mesmo...
alimento não satisfez...
outras...as artimanhas... talvez...

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

venta... venta...venta...

venta ... venta... venta...
na noite
no dia
na vida...

venta vento de mudança
alquimia pretendida...

venta vento de alegria
vento leva inquietude

vento carinho na alma
arrepio na pele crispada
dança no embalo do corpo
sopra pra longe desgosto...



terça-feira, 18 de outubro de 2016

desentendo...

desentendo...
tantas ações
tantos sentimentos...

desentendo...
agruras propositais
sentenças de desamor
ausência de sabor...

desentendo deslaços fraternos
almas viventes no inferno
inventado por prazer...

desentendo descompostura
buscada no capricho
maledicência
rabicho no mal
rebuscado afinal
prenhe de amargura...

do âmago vem a voz
entender por certo
não necessário se faz
seguir
olhos no céu
no chão raiz
aprendiz no cotidiano
pensamento iluminado
escuro passa ao lado...

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

independência

frio presente quase sempre
dia da independência...

chuva...vento...
primavera chegando...

da memória também ventam
outros sete de setembro...

presente escolhido
embrulhado no capricho...

mas... há que se esperar
depois do abraço
pai não tem pressa de desembrulhar...

dia de aniversário
dele e do brasil
independência na ação
essa a grande lição...

era assim o seu agir
não por acaso talvez
dia escolhido pra nascer...


terça-feira, 6 de setembro de 2016

sentido da vida

insisto em explicar
no engano
não sou a mãe
sou a filha...

insisto na crença
na inspiração
da sempre leal ação...

insisto na verdade dos laços
na chama dos abraços de uma vida...

insisto na procura do brilho
do olhar hoje turvado...

insisto no aprender
na bênção da proximidade
no cansaço da dedicação
no desentendimento da lida
no entendimento do sentido da vida...

domingo, 4 de setembro de 2016

manhã de domingo

chuva insiste
persiste
lava devagarinho
alma...

acalma coração
incentiva esperança
dança dos finos pingos
manhã de domingo...

cheiro da cozinha vem
hum... promete sabor
memória se alonga
encontra sussurros
de antigas manhãs...

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

brasil...meu país...

poesia andou calada
guardada talvez...

tempos incertos
nuvem céu encobriu...

brasil...meu país...
atraiçoado
políticos vis...

povo lamenta
intenta entender
congresso presidenta baniu...

seu crime
pasmem
defesa do pobre...

e aquele pensa que é nobre
tem medo
corrompe senado
quem é fraco
coitado
sucumbiu...

no entanto defesa
na garganta presa
sairá...

espere e verá
no voto futuro
novo futuro virá...

não há que entender
direito ontológico
resiste
até acontecer...



terça-feira, 23 de agosto de 2016

palavra ação

palavra afiada
pelo vento levada
palavração
mais nada...

na reflexão
profunda
clarão
iluminação...

todo poder na palavra
tornada ação...

madrugada

silêncio na casa
me pergunto
resposta não sei...

história vivida
noite vencida
madrugada insiste...

banho quentinho aconchega alma
descansa sonho
quem sabe traga resposta...

noite...
não impedirá madrugada...



terça-feira, 26 de julho de 2016

perder pra sempre o juízo

amplia-se afeto
desperto um dia
nascia ser pequenino
espírito abençoado
pelo universo enviado...

aprendo a ser apenas
pelo amor ampliada
em mais duas madrugadas...

invenção de sentimento
aumento de compreensão
impossível definir
melhor tão somente sentir...

vibrar em doce sinfonia
guerrear nas boas batalhas
atingir interno paraíso
perder pra sempre o juízo...


quarta-feira, 1 de junho de 2016

não cales grito

não cales grito
quase inaudível por vezes
sem esperanças outras tantas
sem energia pra adiante
atraiçoado
apunhalado...

não cales grito
para uns maldito
para outros sem graça desde remoto passado...

não cales grito
no lamento remoído
no praguejar balbuciado
no agir sempre simulado...

mais alto
mais forte
mais caloroso
mais honroso
teu grito ecoa
tua alma perdoa
tua mão abençoa...


segunda-feira, 9 de maio de 2016

Palavras à Presidenta Dilma



Hoje quero usar este espaço para, sinceramente, falar à Presidenta Dilma. Hoje não poetarei. Minha alma está triste.

Senhora Presidenta, sou educadora há várias décadas. Nasci aqui no Rio Grande do Sul, assim como a senhora. Tenho 68 anos de idade, também como a senhora. Vivemos, portanto, momentos históricos idênticos. Vi supressão de liberdade em pessoas próximas, mentes abertas, professores de postura admirável. Verdadeiros Mestres! Sei que a senhora sofreu por amor à Pátria, por querer vê-la livre e próspera, juntamente com seu povo. 

Senhora Presidenta Dilma, com alegria, com orgulho de ver uma Mulher chegar ao mais alto posto no Governo do Brasil, acompanhei sua trajetória determinada a combater a fome, a pobreza, a desesperança de tantos brasileiros esquecidos por longo tempo antes da chegada do PT ao governo.

Acompanhei, Senhora Presidenta Dilma, a importância que a senhora deu à Educação em todos os níveis, não medindo esforços, incansável, na defesa dos oprimidos. Os Programas Sociais de seu Governo fizeram e fazem História, servindo de exemplo a outras nações.

Difícil aceitar, Senhora Presidenta, impossível compreender que Câmara e Senado tenham desentendido tudo isso, dando ouvidos a lastimáveis, obscuros interesses, confundindo a opinião dos menos atentos, dos mais jovens e desavisados. Os vendilhões  se aproveitam da oportunidade para bravatear com olhos em ganhos eleitoreiros e financeiros. Lastimável!

Temo, hoje, pela Nação, Senhora Presidenta Dilma, que terá de passar por todo esse obscurantismo até que alguma luz se faça novamente. Quanto à Senhora, colherá na História o reconhecimento pelo destemor, pela capacidade administrativa, pelo nobre coração, pela postura de correção, pelo admirável exemplo que honra a todos nós brasileiros que lamentamos profundamente vê-la objeto de maquinações inferiores ao seu espírito de luta e coragem.

Senhora Presidenta Dilma, obrigada por mim, obrigada por todos aqueles que foram inspiração para sua ilibada postura de governante!

Um grande abraço, Senhora Presidenta Dilma!





quinta-feira, 21 de abril de 2016

frio norte

sorriso vago
cabelo em ventania
na alma música
coração em sintonia
caminhar lento pra adormecer o dia
na fraca chuva que caía...

figura plena
sincera companhia
presença do acaso ao sabor
na cor do céu pintado pra depois
da chuva... do sol... do frio norte que amanhecia...





andamos juntos

não moldo teu rosto
teu passo
teu abraço...

contemplo tua fisionomia
teu olhar
tua expressão...

sinto teu cheiro
teu calor
tua carícia...

andamos juntos
quem sabe na mesma direção...

chuva a tamborilar no telhado

chuva no telhado também lava alma
acalma espírito
esperanceia o futuro
se vocábulo inexiste... não importa...
importante a vida
vencer a lida
recomeçar a cada momento
agradecer ao vento refrescante
sobreviver às humanas tempestades
às falácias politiqueiras que assolam o país
roubam nosso direito
enchem de tristeza brasileiro coração...

ganância
intolerância
falsidade
inverdade
oportunismo
vocábulos indesejados
que os leve a chuva a tamborilar no telhado...





terça-feira, 12 de abril de 2016

união com o universo

corpo um tanto cansado
olhos quase adormecidos
não fazem diferença
lúcido espírito vigia
na companhia das estrelas
encontradas na noite abençoada...

bendito despertar nas alturas
figuras desencontradas não ferem a madrugada
pasmadas de espanto se embaralham
se calam
ou gritam desamparadas
não entendem mais nada...

por certo entendimento não se faz
a quem não o merece
crescem olhos esbugalhados
assombrados...

por detrás das nuvens sol se mostra devagar
pegar nas mãos a vida
fazê-la forte
descontraída
na lida
na comemoração
em total união com o universo...

quarta-feira, 6 de abril de 2016

outono molhado

chuvarada
trovões na madrugada
outono molhado
dias nublados
saudade de céu de infinito azul...

lava firmamento
chuva
varre tempo pé de vento...

mentes nubladas
agora lavadas
clareiam no dia gris...

corações pesados de poeira
encharcados
perdem as estribeiras...

rio riso largo
trago no peito vontades de chuvas
de tempestades
de ventanias...

avessos às mesmices
entardecem cedo os dias
ensombrecem ao prazer da hora
deságuam mágoas
trovejam decisões
arejam mentes
celebram corações em sintonia...

magia pura
sem cerimônia de ser outono
assim outonado
assim nublado
enchuvarado
entrovejado
ensimesmado pra uns
pra outros alucinado...




segunda-feira, 28 de março de 2016

fazer

fazer realidade sonho
bonito nublado dia
alegre cara lavada
como se enfeitada...

fazer da companhia pura comemoração
do momento singelo agradecimento
do soluço riso largo
do suspiro saudoso solta gargalhada...

fazer da quietude reflexão
da inspiração poesia
do desentender esquecimento
queimado no sol
levado no vento...

sábado, 19 de março de 2016

astros da ocasião

desprender-se dos possíveis laços
também dos impossíveis
prescindir da vida
voar sem traços
ladrar ao vento
puro pensamento...

fogo no mar crispado
silêncio na escura nuvem
despencar de tempestade
raio de mutação
dança no furacão...

insólito poetar
consciência singular
tão simples de ver a vida
tão misterioso nascer
tão certo morrer
tão grato perceber...

nublado entardecer
claro amanhecer
vestes da madrugada
trarão final da estrada...

sem luz de fraca neblina
sem confronto que alucina
sem dor de egoísmo feita
sem pranto de despistada culpa...

voará parca vida
na dimensão do universo
céu de lua enluarada
pra derradeira lição
ao pé da porta sentada
na banca de cortiça entalhada
pela mão de maestria
a ouvir doce paterna explicação
do movimento dos astros da ocasião...







sábado, 12 de março de 2016

abraço a ventania

não cansarei na lida
desentender não convida
olhares infantis brilham estelares
lugares tantos
alegrias multiplicadas
adiante na jornada...

dúvida não persiste
entristecer não consiste
anda-se na cotidiana luta
na fé sempre renovada
ah...  agradecer mister se faz
amplo
alegre
feliz
não importa desdita alheia
creia... forte me faço
abraço a ventania
não me desafies
ando acompanhada
minha fé é sadia...

alva luz

planta-se sonho
navega-se mar incerto
presa alma se debate
invade
age
anuncia condição
asas querem voar... então...

alma não acredita
quer crescer
quer saber
aonde anda lua
onde céu engole mar
onde lugar de alegria...

ao ouvido sopra sopro
do norte vem devagar
encrespa entender
agita espírito
de crescimento antigo...

certeza desperta
lua descoberta
estrelas na vitrine
salve... alva luz...
minha mente ilumine...


quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

bendita adversa conjunção

verbo silente
fala somente ao ouvido certo
afeto
precisa compartilhar...

versos de bendizer
a quem os deseja ler
abraço forte
sincero
sempre quero oferecer
no entanto... bendita adversa conjunção...
terá de o merecer...

quando não se ama a vida

ausentes palavras
presentes reflexão
comemoração
gratidão...

porque a vida é lida
entendida
coreografada
a cada único instante
sobrevivente da tristeza preferida
quando não se ama a vida...

sábado, 30 de janeiro de 2016

reticências... dolorosamente pertinentes...

pela porta aberta entra a luz
a outra se fecha
tarda
faz dia alto
noite chega
de luto alma se veste...

alarga esperança
pinta céu
dança no espaço aberto
coberto de nuvens infinito
rasga sol imensidão
atento se faz caminho...

ação traduz palavra
neologismo por certo
verbo não tem tradução...

velho coração não mais sangra
desdenha do entendimento
duvida da realidade
olhos esmaecem
unhas crescem
tecem mãos à invisível sombra do passado...

não há de se descrer no entanto
nem se duvidar da força do espírito
corpo se cansa
vista se embaça
na calma do anoitecer
traça mente planos de feliz viver...

olhar vago traceja em volta
revolve tempos de infância ida
fala ao cão
acaricia o gato
mudo observar
infinito ensinar
a quem lhe quiser dar ouvido
a quem não se considerar ofendido
pelo esquecimento
a quem não se perceber amuado
pela repetição...

um ano mais nas continhas do cordel da vida
pouca lida agora lhe apraz
na lentidão do passo
na impertinência da rotina
domina vontade de adiante ir
se lhe dermos a mão
mas estamos atarefados
se lhe dermos um pouco do nosso precioso tempo
tempo que pensamos ter pra sempre na atual condição...

mil reflexões assomam à mente
desentendimento da vida
incompreensão do afeto
dura realidade da ingratidão
dúvida da filial condição
inutilidade da maternal dedicação...
reticências...
dolorosamente pertinentes...

ou não vivi no mesmo ninho...
ou não comi à mesma mesa...
ou não tive a mesma educação...

reticências... reticências... reticências...
não há rimas para estes tortos versos...
não há mais como abrir essa trancada porta...







quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

nova energia

mente de mil pensamentos
tempo de reflexão presente
aprimora sopro chegado
passo ao frio apressado
saber da companhia
alegria a transbordar
segredo a segredar...

nova velha intenção
coração acelerado
atinge limiar
ontem velou sonho
energia dispendeu
regou flor do desejo
hoje fruto colheu...

radical de profundeza
beleza de gosto sutil
inaudível ao incauto
abrasa
cresce
celebra
gera nova energia
incendeia a madrugada
transmuta ao calor da tarde
às estrelas inebria...




nesta e noutra vida

não compactuarei com a futilidade
com a falsidade da hora
com a demora da afabilidade
com a falta de compreensão
com o anunciado medo
com o segredo codificado
com o indizível
com o inintendível...

quero a leveza do olhar
lugar pra descansar por vezes
energia nos revezes
privilégio de desfrutar da alegria
braços em abraço abertos
coberta quentinha no inverno
fresca sombra no verão
irmão na luta irmanado
se de outra cor ou crença
daqui ou de outro lugar
importa o verbo amar
sangue nas veias guardado
pra dar sustento somente
gente a sorrir no contentamento
ao vento norte ou sul
neste ou noutro chão
mão estendida pra unir
construir
cantar
evoluir
ainda neste plano possível
pra voar na partida
feliz ser
nesta e noutra vida...

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

decepção

decepção parte
da vida
do crescimento
do entendimento...

consequência de expectativa... não sei...
fato fere
difere de sentires outros
provoca pensares
remete à reflexão...

aprender imperioso mister
não ofício qualquer
não oblíqua postura
não fala obscura...

estar aqui neste plano
difere em proceder
sentir
agir
crer...

ver-se nu ao espelho
sem retoques
sem artifícios
não pra muitos ofício...

nó não se desamarra
máscaras velam as caras
desamor administrado
pavor adorno rebuscado
agir de malefício...

aprendo destarte
decepção abençoada
ilumina caminhada...


terça-feira, 12 de janeiro de 2016

essa é boa peleia

riqueza de vida se mostra
recosta cabeça no ontem
agora costurado no cuidado
abraçado futuro devagar
alma plena o deixa entrar...

traz sol a janela
ilumina mente
adentra frescor da manhã
espelha estrelas no fugir do dia
se fecha na ventania...

vida antiga fustiga memória
contos... histórias... sensações...
pleno ar nos pulmões gera respostas
sopram certezas
beleza na alma
sorriso rasga fisionomia
adiante
segue
acredita
tens sangue ancestral nas veias
essa é boa peleia...



segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

porque a lei é divina

silêncio da casa reflete interna quietude
desbravada cotidianamente
calada
teimada
chorada
esperançada...

porque agora tem gosto
retomo desgosto
revejo etapas
comprovo bravatas...

porque hostilidade tem cara de bondade
inveja tem sorriso
desculpas vêm mascaradas...

porque bom e velho compromisso
ao largo passou
nem chegou...

porque azedo da lida
dor da ferida
um dia se vão
não em vão tempo de guerra...

porque reflexão traz serenidade
à luz de cada verdade
se faz cada estrada...

porque caminho tem jeito que nele se dá
chegada de um jeito se revelará...

porque pincel tem mágica escada
segura por mil guardiões
não despenco quando alguém a retira
ateio fogo às vestes da ira
invento nova estrada
oro na madrugada
porque a lei é divina...


domingo, 10 de janeiro de 2016

maude me esconde

não me procures na minha poesia
maude me esconde
responde
sente
se expressa...

oculto-me em sua saia
criança chorosa
me enrosco
me faço de novo...

maude de tranças
criança
amante
vibrante...

maude acredita no mundo
no sorriso
na alegria
no prazer do novo dia...

maude um dia quer partir
feliz
serena
como a primeira luz da madrugada...

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

oro e vigio


viajar pela leveza do espírito
ao encontro de mim mesma
meu desejo
meu  sonho
minha concretude...

andar na tempestade
não me impede de chegar ao infinito céu azul...

tempo de dificuldade
me fortalece
me enriquece...

mente se clarifica na obscuridade
alma procura a luz
não sossobrarei ao vento...

edificarei minha sanidade
com a vontade
com a verdade
com a sinceridade
com o afeto...

oro e vigio
ao longo do caminho...