quinta-feira, 29 de outubro de 2015

manhã no central park

                                                                                Central Park, NYC - photos by maude poesia


sopra vento norte
forte
corpo arrepia
alma entontece...

folhas entardecem
amarelecidas
encarnadas
envelhecidas
dançam...

outono abençoado
gera interna primavera
fresca manhã no central park...




segunda-feira, 12 de outubro de 2015

ser... tão somente...

coração acelera
breve tempo de espera
primavera canta
manhã se levanta
outono da alma
se espanta
se encanta...

descrer
depressa crer
entristecer
depressa saber
alegria presente
coração adolescente
vida à frente...

porque lá fora um oceano
aqui dentro um plano
ser... tão somente...


quarta-feira, 7 de outubro de 2015

autumn in spring heart


                                                                               image of Central Park in NYC


told you once
wait for me in autumn
autumn in spring heart...

time embraces time
time of belief
of being first
of living awaked dream
of looking inside
of walking outside
and see
and be...

told you once
wait for me in autumn
autumn in spring heart...



sábado, 3 de outubro de 2015

venta vento juvenil

venta vento sobranceiro
acaso assim não é...

venta na adversidade
vento de toda verdade
vento inunda cidade
escabela pensamento
venta um pé de vento...

vento de sabedoria feito
leva longe preconceito
varre dor de cotovelo
de vida inútil
sem gelo...

venta vento sabor pitanga
comida em cima do pé
butiá e carocinho
guardado com tanto apreço
endereço infantil
lá pras bandas de bagé...

venta vento de saudade
vento de toda vontade
devagar
ou sobranceiro
outonal
ou primaveril
venta vento juvenil...

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

dicotomia e energia

não hei de querer
compreender
aprender porém
convém...

aprender a compreender
inevitável
aprender a crescer
saudável...

etapas
não dificuldades
superadas
novo desafio trazem...

etapas da viagem
ao infinito interno
céu
inferno...

dicotomia posta
arbítrio na escolha
energia lançada
caracteriza estrada...

fundo do olhar

um dia tristeza havia
no fundo do olhar...

desentendida ali ficava
morava em todo lugar...

tempo passou
ali permaneceu...

cresceu na certeza
já pus mesa...

aos poucos... devagar
nova estação a reinar...

desabitou nevoeiro
lentamente vento soprou...

olhar clareou
alma alegrou por inteiro...

do fundo do olhar
para a profundeza do mar...

por certo anjos tocaram
sinfonia radical...

sonoridade... clareza...
boniteza de alma...

suavidade... afetividade...
fé... dedicação...

não são por certo
substantivos abstratos...

agradecida na substantivação
na oração cotidiana...

na claridade da concretude
corpo e alma em juventude...


na primavera outono

na primavera outono
de mim
de sim à vida...

na primavera outono
de encontro
de olhar interno
de sentido
de libertação...

na primavera outono
de viagem ao mais profundo
da alma
do coração...