sábado, 6 de junho de 2015

sapos não cantam no banhado

distante trovoada
chuva continuada
sapos não cantam no banhado
guardado sentimento
no conforto da casa
sono sagrado
inverno invernado
menina lembrança
trança tempo
suaviza momento...

noite de dia assustado
aninha silenciosa no longe da tormenta
não inventa
não lamenta
persiste
assiste
ao ribombar de corações atormentados...

alma germina na luz da madrugada
manhã desassombrada
calmo tecer de mágica ousadia
saúda amanhecente dia...


Nenhum comentário: