quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

do sopro ao verbo

                              praia do Cassino - Rio Grande -RS - photo by flickr- photo sharing


verso se faz no infinito interno
materializa-se no verbo
distante semântica
inútil intenção...

canção da alma descompõe-se
traumas de sedução
angústias em profusão
irrequieta lira da expressão...

longínquo estado
distantes pensares
perdidos lugares
pórticos fechados da compreensão...

ou nada se perde
ou nada se cala
tudo transborda
na diversa comunhão...

do sopro ao verbo
longo caminho...

em cada coração
a cada leitura feita
outro mundo espreita
na compreensão pessoal...

vivências tantas
estradas
becos
amplos salões
bastantes silêncios
contidas intenções...

driblam
dublam
afagam
vendam
desvendam
infinitas compreensões...

verve primeira
sopro inicial
voou ao infinito
no grito calado
gritado
saído
ouvido
entendido
decodificado
traduzido
de modo pessoal...

assim o verso
assim o poema
intenção primeira
sopro inicial
vagou
fez-se lua
fez-se lágrima
fez-se abraço
fez-se onda
fez-se raio de sol...

Nenhum comentário: