terça-feira, 11 de dezembro de 2012

do fundo de mim


                                                        photo by maude poesia

penso
alegria incomoda
prefeririam
quem sabe
acabrunhada me verem
certeza terem
de meu entristecer...

na reflexão me encontro
com esse pensamento doido
doído um pouco também...

porque dou asas à alegria
não sou boa companhia
talvez...

rio descontraída
sem álcool na cuca
não o ingiro
dele não preciso
pra alegria sentir
suspiro... infelizmente pra muitos
meu erro ser vegana... quem sabe...

por que sou assim... não sei...
conjunto de muitas verdades
inverdades algumas
contrariedades
dificuldades... talvez...
outra vez... quem sabe...

fato é
seja o outro como quiser
se me encontro aborrecida
dou  a mim mesma um tempo
reflito
olho em volta
tantos motivos de contentamento
injusto com o universo
não atentar às pequenas grandes coisas
a encherem de felicidade nosso interno lar...

não me vitimizo
valorizo insignificantes vitórias
no entender alheio
não me meço nos valores ditos sociais
ais não os carrego
amo dançar a vida
num passo aprendido
saído do fundo de mim...

Nenhum comentário: