sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

calado canto


                                                      photo by maude poesia 

 
quieto coração escuta
canto não ecoa
embora não doa...

calada tarde vai
levemente brisa
suaviza hora
agora de tardios sentires
entenderes nem tanto
mas não há pranto
tempo se esvai...

divaga expressão
em volta da vontade
se evade canto
de amor
como escondida flor...

aprisionado fica
crepitam chamas
entendimento queima
nas labaredas
desfazem-se
consomem-se
inspiradas rimas
no alento de extermínio
enquanto a tarde cai...

Nenhum comentário: