quinta-feira, 24 de maio de 2012

Vitor Ramil - Querência



poema João da Cunha Vargas
música Vitor Ramil
voz e violão aço Vitor Ramil
violão nylon Carlos Moscardini
este video é parte integrante do dvd délibáb documental que acompanha o cd délibáb.

Este poema contém linguagem regionalista, com expressões que se referem ao falar de um lugar, de um tempo... bem ao sul do Brasil, no Rio Grande do Sul.
Trata do sentimento de tristeza que toma o poeta ao ter de deixar para trás sua "querência", o lugar onde nasceu e viveu até então...
Com sua voz e sensibilidade, Vitor nos faz também sentir a dor da perda do "torrão natal"!
Espero que apreciem esta primeira escolha do cd.
Abraço!

Querência

Deixei a velha querência
Saí de lá mui novinho
Com tabuleta ao focinho
E a marca já descascada
Ponta da cola aparada
Sinal de laço ao machinho
Por estes campos afora
Deste Rio Grande infinito
De pago em pago ao tranquito
Repontando o meu destino
Do campo grosso pro fino
Fui me criando solito
Angico, Mariano Pinto
Picada onde me criei
Por tudo ali eu andei
Bebendo e jogando a tava
Bem montado sempre andava
Corri carreira e dancei
Cruzei picadas escuras
Prum baile ou jogo de prenda
Derrubei porta de venda
Pra tomá um trago de canha
E esporeei boi na picanha
Em tudo que foi fazenda
O que viesse eu topava
Serviço, festa ou peleia
Cortei muita cara feia
De indiozito retovado
E amancei muito aporreado
Com pé-de-amigo e maneia
Um dia me deu saudades
E eu fui rever o meu pago
Sentir da china o afago
E o vento frio do pampeiro
No coração caborteiro
Do meu peito de índio vago
O tempo passou, lá se foi
E eu não queria que fosse
Tudo pra mim terminou-se
Nem eu sou mais o que era
A estância virou tapera
E o que era xucro amansou-se
E hoje só o que me resta
É o pingo, o laço e o pala
Pistola, só com uma bala
E a estrada pra bater casco
No cano da bota um frasco
E um fiambrezito na mala!

2 comentários:

roxana disse...

What a sensible and touching interpretation! It's like an incantation, a healing song for the sadness and the longing inside after the long-lost childhood's paradise...
How very well I can understand the feeling of irrecoverable loss and uprootal from my homeland. Sometimes, even when in my homeland...

Thank you for introducing me this incredible artist, dear Vera!
My best of wishes and thank you for your usual support and appreciation!

Vera Luiza Vaz disse...

Roxana, the search for the music I posted is rewarded...
You underestood the sensible message and this is magic, this is what counts for me...
I have a deep emotion this morning here at my notebook reading the words you wrote...
Nowadays we listen many times songs that we are not identified with. And then, an artist, as Vitor, shows us the roots of our sensibility in the poetry he presents to us...I really like his work of art and enchanting.
I am going to write him and tell him he has now another fan in far - but near heart - Romenia!
Thanks for your worda of gentleness and friendship.
Love from south Brasil!