sábado, 28 de abril de 2012

na tarde gris

                                                                                photo by maude poesia



nubla céu
aclaram-se sentidos
vividos tempos
surgem atrevidos
suaves lembranças
adormecidos laços
roçam memória
em bocejos escondidos...

amores
dores
pra acatar a rima
ferem ainda
não os acordemos
tempos de lamento
foram preteridos...

céu nublado sereniza
ameniza sentir descontente
fere-se a gente
se quiser ver preso
desejo de nunca ter sofrido...

sofre o poeta
agradece todavia
não se aprende na vida sem sofrer
refugia-se alma em agradecimento
a cada nascer de um novo dia...

de escuro pinta-se firmamento
no vento... no vento... a certeza
presa não se faz a alma na tarde gris
faz-se aprendiz de vida e de sentimento...

2 comentários:

SOL da Esteva disse...

Vera, Querida

Tarde Cinzenta. Meditação atenta,"(...)a cada nascer de um novo dia...(...)"

Beijos

SOL
http://acordarsonhando.blogspot.pt/

Vera Luiza Vaz disse...

Amigo Sol, o tempo, em suas diferentes manifestações,afeta de modo intenso os sentimentos do poeta...
Obrigada pela iluminada visita!
Abraço!