sábado, 7 de abril de 2012

céu e solidão

                                                                    
                                     Arte no muro da Mauá em Porto Alegre - RS -  pelo pintor Mário Schuster de Pelotas


antigo muro sustenta folhagem
florescem ramos
mãos a acenar
portão aberto
esperança inquieta
teima tempo em não acordar...

céu de outono
sono sem sonho
no abandono céu e solidão
azul celeste dobra-se em matizes
no peito em crise dorme um coração...

ao fundo azul aponta o infinito
em grito ecoam suspiros de querubim
amparam em asas desamparado espaço
em amplo abraço tudo ilumina ao fim...

2 comentários:

São disse...

Tal como o azul celeste se desdobra em matizes assim acontece a vida nossa: que nesta Páscoa sejam doces e esperançosos é o voto que embrulho num fraterno abraço, amiga

vera luiza vaz disse...

Obrigada, amiga São! Também desejo-te muita paz e alegrias hoje e sempre!
Abraço!