quarta-feira, 14 de março de 2012

Chico Buarque - Olhos nos olhos - intertexto



Apresentação de Chico Buarque em especial da Rede Bandeirantes em 1976.
Participação da Orquestra Bandeirantes sob regência de Francis Hime.
O video já começa na segunda estrofe do poema, mas Chico repete toda a composição, nos dando, assim, oportunidade de audição da belíssima composição por inteiro.
Perguntado sobre como compor desde a perspectiva feminina, como nesta música, Chico sorri e diz conviver com três filhas o que lhe facilita nesse sentido.

Olhos nos Olhos (Chico Buarque de Holanda)

Quando você me deixou, meu bem
Me disse pra ser feliz e passar bem
Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci
Mas depois, como era de costume, obedeci

Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode crer
Olhos no olhos, quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você eu passo bem demais

E que venho até remoçando
Me pego cantando
Sem mais nem porquê
E tantas águas rolaram
Quantos homens me amaram
Bem mais e melhor que você

Quando talvez precisar de mim
Cê sabe que a casa é sempre sua, venha sim
Olhos nos olhos, quero ver o que você diz
Quero ver como suporta me ver tão feliz

-------------------------------------------------------------------------------------------
olhos nos olhos (intertexto de maude poesia)

amores partem
partem-se corações
dividem-se sentimentos
antes compartilhados
resultam despedaçados...

quando partiste
fiquei triste
partida
nas constantes despedidas...

houve a partida final
afinal
longamente esperada
partida
para o resto da vida...

viver após a partida
desafio
fino fio reage
de esperança
bobagem...

parte-se de um ponto
para a tantos outros ir
projeta-se o passo amplamente
à frente
para não mais voltar
ao anterior lugar...

corpo parece desabar
desequilíbrio real
corda bamba total...

feriu-se a alma
mais ferir-se-ia
se tentasse voltar
se insistisse no continuar...

fica a lembrança
da vivência
ficam frutos
fica a partida
como um momento sem ar
na despedida de alguém
que vai viajar...

hoje no olhar ao passado
fica um tempo nublado
propício à meditação
será regra do mundo
dos costumes
inventada
ou possibilidade certa
de sempre a partida chegar...

olhos nos olhos
em profundo verbo amar
fico a pensar
que significado teve
que sentido sempre terá...

quando partiste
o céu ficou triste
tristes foram os dias
tristes as alegrias
constatações de ilusões...

quando partiste
consciência clarificou
coração desacreditou...

olhos nos olhos
em profundo verbo amar
fico a pensar
que significado teve
que sentido sempre terá..






 


2 comentários:

Giuliano disse...

Versi emozionanti interpretati da un grande Chico.
Fortissimo abbraccio

vera luiza vaz disse...

Giuliano, amo a poesia de Chico! Gosto de perceber a facilidade com que ele se transporta ao universo feminino e se expressa desde essa perspectiva... Versos lindos, um tanto fortes, por vezes, como ele fala, em entrevista, sorrindo...
É mesmo emocionante, como dizes...
Obrigada pela tua participação sempre atenta e gentil!
Abraço!