sábado, 31 de março de 2012

poema mãos de amizade

                                                                                                             photo by chicoxavierce.blogspot.com


poema canção expressada
ensaio de dança no espaço
abraço de vida e carinho
poema filhote no ninho...

canção respiro da alma
dança alimento do espírito
abraço doçura saboreada
filhote canção renovada...

abrigo do vento tardio
miado de gato no cio
poema expressão da vida
sanidade pretendida...

poema tristeza e distância
desentendimento no mundo
entristecendo a alma
empobrecendo a rima...

poema sopro e esperança
poema ânsia de alegria
poema pede o bem
maldade fica esquecida...

poema mãos de amizade
justiça e entendimento
alegria e fraternidade
no sopro suave do vento...

sexta-feira, 30 de março de 2012

arte em contradição

                                                                
                                               imagem da constelação Cruzeiro do Sul -  observatório.ufmg.br


quero ficar enrolada
na alma
quero ficar distante das penas
quero pequena falar com o poema...

envolve-me manto azul
cruzeiro do sul
feito de estrelas
vê-las lembranças
presentes na constelação...

arte amena
arte serena
arte em chamas
olha das sacadas
percorre estradas
revolve antigas moradas...

divina arte do ontem
do agora
enluarada
escura
alegre
estrelada
amuada...

arte do profundo céu
de outono sem dono
de outono de arita
arte grita sem medo
arte segredo
do véu
arte do cedo
do tarde
do sim e do não
arte em contradição...

quinta-feira, 29 de março de 2012

Vitor Ramil - Milonga das Sete Cidades - Estética do Frio



Milonga das sete cidades - Estética do frio (Vitor Ramil)

Fiz a milonga em sete cidades
Rigor, Profundidade, Clareza
Em Concisão, Pureza, Leveza
E Melancolia

Milonga é feita solta no tempo
Jamais milonga solta no espaço
Sete cidades frias são sua morada

Em Clareza
O pampa infinito e exato me fez andar
Em Rigor eu me entreguei
Aos caminhos mais sutis
Em Profundidade
A minha alma eu encontrei
E me vi em mim

Fiz a milonga em sete cidades
Rigor, Profundidade, Clareza
Em Concisão, Pureza, Leveza
E Melancolia

A voz de um milongueiro não morre
Não vai embora em nuvem que passa
Sete cidades frias são sua morada

Concisão tem pátios pequenos
Onde o universo eu vi
Em Pureza fui sonhar
Em Leveza o céu se abriu
Em Melancolia
A minha alma me sorriu
E eu me vi feliz

Hoje faço minhas as palavras de Vitor Ramil nesta "milonga das sete cidades".
São sete "cidades" onde também moro e me encontro...
Sete "cidades" que fazem a vida ter sentido e a poesia acontecer...
Obrigada, Vitor, por tanta beleza!

quarta-feira, 28 de março de 2012

versos despetalados

                                                                             photo by maude poesia


coração alcança
fundo do rio
avança desafio
quebra correntes
rompe dormência
consciência aclara
sonho acaba
segue dia
anda estrada
chuva chegada
muda estação
muda tempo
mudo vento
mudos nós...

amanhece frio
hoje vazio
palavra exangue
débil gemido
anseio de voz
cortina no espaço
distância no traço
perdidos abraços
longe do mundo
distantes de nós...

perdeu-se magia
negou-se poesia
clamou justiça
bradou noite e dia
calou sua voz...

áridos tempos
veneno do mundo
segundo se expande
imberbe engano
rebento da hora
refúgio demora
acomodam-se sentires
respira-se negligência
busca-se seriedade
antigo sentimento
movimento rotativo...

rosto gelado
frias emoções
reticências perdidas
dormidas demandas
amparo desfeito
robusto esforço
sangria no peito
sem jeito ancorado
poema irrequieto
versos despetalados...

terça-feira, 27 de março de 2012

voz de todas as artes

                                                                                                                 photo by maude poesia


poesia
mãe de todas as artes
destarte sabemos
percebem-se rumos
aprumos de voz
de sentir
de expressar...

poesia
arte de voz afinada
com a vida
com o sonho
com a realidade
arte política
arte crítica
arte verdade
arte inventada
arte do tudo
arte do nada
arte canção do tempo
arte do vento frio
do vazio
do vago
arte de gosto amargo
arte do sabor saboreado
arte atenção
arte intenção...

poesia
arte voz de todas as artes...

segunda-feira, 26 de março de 2012

chave do tamanho


                                                              "Alice in Wonderland" the film 
impossível não crescer
deter o tempo
fazer do vento aliado
estancar...
impossível
ele nos leva
debalde queiramos
ou não...

nas asas do vento vamos
ou somos soprados...
nas garras do tempo vamos
ou somos levados...

melhor então concordar
vamos crescer
que rima com sofrer
que rima com doer
mas também rima com saber...

doem os ossos
doem os músculos
doi muito mais a alma
queria ser
criança pra toda vida
distante das mazelas da cotidiana lida...

sou menino
sou criança
dizia o poeta quintana
quero de volta meus brinquedos...

quem há de conter o crescimento
só a morte
nós sabemos
ou ela também não tem
a chave do tamanho de alice...


Dedico este poema aos amigos do "velha guarda do estadual" que cresceu... e deve agora "pagar o ônus" do crescimento...
Mas crescer traz o fortalecimento da vontade e com a idade sempre se fica melhor... rsrsrs...
Abraço ao amigo e irmão Luiz Carlos Vaz que dirige com maestria o blog na preservação e divulgação das memórias de  nosso velho e querido Estadual!
Aguardamos, desde já, com ansiedade, o novo endereço do blog!
Abraço!

cotidiano acontecer

                                                                                                                  photo by grupoescolar.com



poesia do íntimo vem
no sentir de emoção
no olhar de sensibilidade
no mirar do céu de outono
no abandono das secas folhas
no grito pungente da ave de rapina
sozinha na imensidão outonal
afinada com a solidão da hora
no friozinho do vento sul de agora...

em nuvens brancos flocos de algodão
apressados em ampla transformação
são gatos...  são patos...
são anjos... são alados cavalos...
figuras de fantasiosa interpretação
significados multiplicados no movimento
da nova estação em amplo contentamento...

ser e estar feliz quase obrigação
subjetiva questão se impõe
do poeta o coração quem há de entender
a emocionar-se quase infantilmente
sentindo a vida em cotidiano acontecer...

na onda

                                                                          photo by portaldoprofessor.mec.gov.br


vida requer
não um jeito qualquer
fácil não ser
fácil deixar pra lá
difícil persistir
sair do circuito
da ação não pensada...

deixar-se levar na onda
deixar de exercer seu direito
ah... pra mim de nenhum jeito...

quero ou não
por vontade refletida
não por vontade de outrem
não por propaganda de massa
onde tudo parece de graça...

existe importante escolha
não sou de espuma uma bolha
levada pra onde se quer
carregada por uma brisa qualquer...

oceano de indignidade
tomou conta das vontades
reflexão para quê
se quase ninguém atenta
pra seu verdadeiro querer...

domingo, 25 de março de 2012

um sentido... outro sentido...


                                                                              photo by Marília Vaz



pão amassado
flecha atirada
voo alçado
grito gritado
palavra falada
vidro partido
lua surgida
só têm um sentido
não podem voltar...

vida vivida
terra lavrada
caminho andado
pensamento pensado
resposta dada
semente lançada
só têm um sentido
não podem voltar...

mão erguida
caminho sugerido
perigo pressentido
há outro sentido
melhor voltar...

expectar

                                                               sol nascente em Poa - RS - photo by flickr.com

expectar
não conjugar...

expectativa
vã esperança
sem fundamento
sem possibilidade
só existe na nossa vontade...

expectativas
resultam inúteis
trazem desilusão
resultado da ilusão...

iludir-se
quem há de...

expectar
só conjugar
se de si mesmo esperar...

nas asas do vento


                                                           
                                                              photo by Roberto Vinicius in noticias.r7.com
                           


no olhar se busca a alma
no sorriso a aceitação
calma no verde da natureza
aconchego no forte abraço
alegria na fisionomia...

nas ações se busca a seriedade
na fala a serena verdade
no abraço a amizade...

busca-se no ar combustível
equilíbrio na reflexão
no estudo crescimento
onde buscar o amor
passou nas asas do vento...

dureza da jornada


                                                                       photo by noticias.uol.br


não quero palavra desdenhosa
nem caridosa ação de incentivo
não quero o olhar do inimigo
disfarçado em sincero amigo
quero ampla a fisionomia
clara desde a noite até o dia...

se vens assim serás bem recebido
na certa não serás bem-vindo
se te mostrares apenas compadecido
guarda sentimento de mim escondido...

não desejo ações de compaixão
quero cara lavada na sinceridade
ampla flor de brilhantes pétalas
crescidas ao frio da forte geada...

independente me criou meu pai
ensinou-me a passo firme andar
responsabilizar-me pelos feitos
se com defeitos arcar e aprender...

não negarei  o que aprendi
me fez valente a fria madrugada
elegância se faz ínfimo adorno
um estorvo na dureza da jornada...

pedra atirada não fere só o corpo
causa desgosto ao irrequieto espírito
que livre e firme só se fortalece assim
e livre cresce... e floresce até o fim...

palavras de uma estrela

                                                                        
                                                                                                    photo by cdcc.usp.br


não escancares a porta de casa
pode entrar má energia
do passante em agonia...

energiza tua morada
ao sol
à claridade
mas tempestade se faz
tens de estar atento
ao sopro de alguns ventos...

não fales da tua verdade
do teu modo de agir e de ser
inveja inesperada
pode tua palavra escarnecer...

não te mostres por completo
guarda em teu âmago segredo
de vida
de fé
teu bálsamo ele é...

não te aproximes da falsidade
tem espectro pegajoso
afasta-te desse lugar
ele quer te contaminar...

segue tranquilo teu caminho
anjos do bom vento te sopram
coragem
disposição
serenidade
equilíbrio
sempre florescerão em teu ninho...

sábado, 24 de março de 2012

sem pressa de voar

                                                                                                    photo by Diário Popular


friozinho gostoso
arrepio na pele
guri o outono
corre no vento
bole na água da chuva
molha os pés no sereno...

animaizinhos ao sol
serena manhã boceja
espreguiça a passarada
avião não buscou o céu
amanheceu devagar
sem pressa de voar...

gente desistiu de andar
na calçada desde cedo
ficou talvez a chimarrear
numa prosa matinal...

alma reconfortada
na paisagem outonal
aproveita a suavidade
do dia
da hora
da mente
em expressão leve e contente...

sexta-feira, 23 de março de 2012

ao espelho



 
                                                                                          photos by Marília Vaz


ao espelho esperança
transparece
em movimento do universo...

ao espelho espaço aberto
chão e infinito...

inveja e egoísmo se fundem
assumem mesma identidade
ao espelho de toda vaidade...


ao espelho felino adormece
sonho na comodidade...

ao espelho amor e amizade
se completam...

ao espelho vazio se desconhece
completude acontece...

ao espelho espaço se percebe
rebuliço ao vento...

ao espelho simplicidade
faz-se luz...

espelho ilumina
amplia
reflete
mostra
o que se deixar ver...

deixa-me ficar assim

                                "Almofada Amarela" - óleo sobre tela - 1923- Leopoldo Gotuzzo - pintor pelotense (1887/1983)
                     

deixa-me ficar assim
parada no tempo
momento de não pensar
não agir
não falar...

deixa-me ficar assim
quieta
no verso
no reverso...

deixa-me ficar assim
pássaro molhado
da chuva abrigado...

deixa-me ficar assim
sem mexer pestana
sem arregaçar manga
sem ouvir resposta...

deixa-me ficar assim
cessar de ventos
de temporais...

deixa-me ficar assim
escondida de mim
longe do cais
distante dos ais...

dividindo a caminhada

 
                                                                                photo by Marília Vaz
 
 
dividindo a caminhada (Marília Vaz)
 
se soubesse teu segredo
para mim o manteria
não gritaria aos quatro ventos
bem quietinha o esconderia

...
estive em ti
e estás em mim
como o peixe dentro d’água

mesmo longe
sempre perto
dividindo a caminhada

- Meu exemplo, meu modelo, meu AMOR! A mãe mais linda do mundo! TE AMO!
 
 
Caros leitores, recebi esta homenagem de minha filha e grande amiga de todas as horas...
Publico-a, então, para  manifestar meus agradecimentos, não só a ela, mas à proteção divina que me acompanhou sempre na tarefa de encaminhar meus filhos no crescimento da verdade, da simplicidade e da fé.

imprescindível sabor

                                                                               photo by maude poesia


canto a amizade com vontade
com alegria
com esperança...

amizade destrói preconceitos
invalida fronteiras
anula distâncias
promove entendimento
fundamenta a paz
traz reflexão ao espírito
fortalece o corpo
promove nobres sentimentos
habita pra além do tempo...


amizade amplia
fundamenta o amor
põe na vida
imprescindível sabor...


Dedico este poema a todos os meus amigos!
Àqueles com quem convivo, àqueles que vejo de vez em quando, àqueles que conheci em algum momento de minha vida profissional, que me ensinaram e me ensinam todos os dias, com quem convivi lindos tempos para sempre na memória e no coração!
Àqueles que não vejo seguidamente, mas que me acompanham porque me conquistaram com seus gestos, seus olhares, suas posturas...
Àqueles que se foram deste plano e me deixaram seus ensinamentos e uma profunda saudade...
Àqueles amigos parentes que fazem parte de minha vida por laços familiares e aprofundam esses laços com nobres sentimentos...
Àqueles que chegam até a minha poesia, incentivam com suas visitas e conquistam a minha amizade com suas afetuosas palavras...
A todos o meu sincero agradecimento e minha profunda amizade!

quinta-feira, 22 de março de 2012

sozinho

                                              "Amanhecer em Porto Alegre" RS- Brasil - photo by Marília Vaz


anda
com teu passo...

pensa
com tua mente...

faze
com tuas mãos...

brada
com teu grito...

ora
com tua fé...

ama
com teu coração...

realiza
com tua vontade...

ao final
tu estarás contigo
como no início
sozinho...

quarta-feira, 21 de março de 2012

novo canto do vento


                                                                                                              photo by Marília Vaz


quero-quero desconfiado
sentinela anda de lado
vagaroso observa
seu canto aviso
não o faz por improviso...

outono chegado
diferenças na epiderme
germe de outro tempo
no novo canto do vento...

energia

                                                                                 photo by  Marília Vaz

luz inunda salas
quartos
corações...

luz ilumina becos
quadras
intenções...

luz ilumina rios
túneis
emoções...

energia chega
na serenidade da manhã
na complexidade da tarde
na confusão da noite
na bênção da madrugada
ela não tarda...

segunda-feira, 19 de março de 2012

palco assumido


                                                                                          phoyo by cantinho de poesias e imagens



O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente
                 (Fernando Pessoa)

sopro no rumo do vento
boca na senda do tempo
lugar de duplo sentido
poesia é palco assumido
sussurro direto ao ouvido...

não ergue a mão sem alento
os olhos têm sentimento
acaso é hora marcada
cheiro é lança lançada
agora é momento em paz...

sabor de chuva gelada
andar de caminho chegado
silêncio de suave manhã
anseio de ser e não ser
angústia de sonho viver...

amparo na hora mesquinha
corpo em busca de espinha
navega no mar a canção
beijo na boca se faz
amor energia da estação...

cedo calado vazio
mente em farto desvio
busca de todo sentido
voz de muitos gemidos
expressão de alma e coração...

domingo, 18 de março de 2012

particípios

                                                                  photo by meioambiente.culturamix.com

incontido impulso
avulso domicílio
cílio pintado
rasgo no vestido...

queixo abatido
ampliado rumo
aprumo debruçado
alado esvoaçar
crepitar de chamas
em chamas ou rasgado...

sonhado abrigo
antigo esquecido
canto encantado
determinada dança
avanço desafinado
afinado instrumento
ao sopro o vento...

intento perseguido
reverso revestido
senso sentido
censo assumido
labor multiplicado
inverno anunciado
boca alucinada
desbotada cor
mascarado olhar
incerto lugar
dos particípios...

certinha


                                                                            Mafalda by Quino


certinha
maneira de agir
comportar-se
andar
vestir
falar...

juízo alheio
fácil
difícil é ver-se
querer-se
do jeito que se é
como se quer ser...

certinha
advérbio diminutivo
pode denotar carinho
pode também ser
descrédito
deboche
desrespeito
de algum jeito
preconceito...

ser na onda
sem consciência
um tanto demência
ausência de crítica própria
impróprio escolher...

maria vai com as outras
declarava vovó
sobre quem agia
sem reflexão
sobre quem não tinha 
própria opinião...

infelizmente se vê ainda
quem viva ao sabor
de mercantil filosofia
fazendo suas escolhas
como desavisada maria...

espírito da mata

                                                         photo by Giuliano Scheggi in sole pioggia vento

olha o verde
olha a chuva
olha o sol
contempla a natureza
beleza aí está...

admira o lugar
é tua ampla morada
renova esperança
fortalece mente em energia
a cada dia que avança
através da madrugada...

escuta
ouve da mata o silêncio
atitude de agradecimento
cessa o vento
silencia a bicharada
hora de reflexão é chegada...

palavras são como os condores


                                                                       photo by minimoajuste.blogspot.com



palavras abrem portas
esvaziam gavetas
escalam muralhas
atravessam caudalosos rios
aceitam desafios
enfrentam temporais
expressam emoções
apaixonam corações...

palavras são como os condores
ascendem em alto voo aos céus
marcam espaço de domínio e de luz
com a força determinada que os conduz...

palavras podem ferir sentimentos
podem matar e assombrar humildes
palavras também podem libertar
auxiliar na compreensão entre povos
compartilhar ideias e divulgar ciência
palavras podem revelar preferência...

com as palavras ando às voltas
entendêmo-nos muitas vezes
noutras nos contrariamos
discutimos variáveis de semântica
absurda mudança de grafia
ficamos nessa filosofia
até a saída pra poesia...

palavras aproximam
também excluem
possuem poder contra a dor
podem conter o sentimento do amor...

sensibilidade

                                          Dálias - Jardim Botânico - Christchurch- NZ- photo by Sílvia Tavares



sensibilidade
ampara a percepção
nasce na harmonia
sereniza o dia...

sensibilidade não há
em qualquer lugar...

nasce no olhar de carinho
no abraço de afeto
no sentimento secreto
a iluminar a sagrada hora...

sensibilidade chega
nas asas da alegria
mal empalidece o céu
na visão da noite anunciada...

sensibilidade
cresce no profundo espaço
de cultivo da semente no coração
fértil terra de amplos sentimentos
de fontes de cristalinas águas
onde sacia a sede a amorosidade...

sensibilidade
amplia a magia do amor
ascende ao infinito
guardada no aconchego
na calma da aurora
dentro do coração
bem junto à alma...

outro sabor

                                                           photo by enigmadosonhos.blogspot.com

tempo e descrença encarceram coração
fica no olhar a tristeza resumida
validade vencida do produto de consumo
na desvalorização do sentimento e da vida...

espada de fútil lâmina de mel e fel
fere por querer
na impossibilidade de na verdade ser...

estrada iluminada escurece
dia desaparece
na incompreensão da dor...

segue caminhante a história
determina semblante de sorriso
sabor de lida a bebida cotidiana
na determinação do espaço a compor...

anda ao lado um anjo inquieto
mostra-se claro aos olhos
segreda ao ouvido o não sabido
segue tua viagem
olha o verde na paisagem
não estás sozinho
não descuides da hora
do teu caminho és senhora...

escuta o anjo... põe-lhe fé...
encontra o rumo
o canto que da alma brota
possui agora outro sabor...

sábado, 17 de março de 2012

abraço

                                                                                 photo by mdig.com.br



abraço tem sabor de amplidão
tem cheiro de perfume preferido
tem segredo segredado no ouvido
tem onde encostar a cabeça e sonhar...

abraço é acolhida amorosa
amparo de energia renovada
aconchego sem hora marcada
sem palavras é fala não falada...

abraço é demonstração de amizade
sentimento ampliado em abertura
de braços na sensação de ternura
de corpo no desejo da pessoa amada...

apertado sem palavras traz afeto
rápido com elegância é discreto
com lágrimas nos olhos é saudade
corpo inteiro com beijo é paixão...

abraço é expressão de sentimentos
sempre sentimentos ampliados
por dois braços abertos e um coração...

descrer e crer


                                                    Lagoa dos Patos - Pelotas, RS- photo by popa.com.br

há um lado negado no meu canto
lado calado de sentimento
não fosse assim coração
certamente cantaria
do amor toda a alegria...

hoje talvez precise bradar
exorcizar a tristeza desse pranto
pra entender
iluminar os becos
há tanto escurecidos
na confusão do anoitecer...

coração entregou-se um dia
à sombra fria da crença
errou na presença do príncipe
que sapo foi apenas
no inverso conto de fadas
resultando um fardo
de descrença e desamor...

ao versejar no tema
riso contempla fisionomia
sente precisa nomear os fatos
mandar o sapo definitivamente pra lagoa
na ampla risada espantar sombra e dor...

abre-se o céu em azul de outono
no infinito vê-se o coração
na ação já posta mostra o passado
enfim revirado
ensolarado em forte e abençoado sol...

hei de cantar o amor possível
o amor crível
o amor sem ressentimento
na insanidade do viver
de amar é tempo sempre em possibilidade
amorosidade amanhece no amanhecer...

chuva de ouro

phoyo by maude poesia
                                                                    
 timidamente se mostra
se não atentos
não a veremos
junto às demais folhinhas
cresce apressada
em busca da luz...

atreve-se
acredita
inverno distante está
ou ao contrário será
proximidade invernal
a incentiva a ser...

certa é sua presença
será uma chuva de ouro
de amarelinhas orquídeas
aguardemos...

natureza
mestra astuta ensina
se queremos aprender
dedicação
compromisso
crença
na humana maneira de entender...

se observamos
atentamente
vemos a alegria
juntar-se ao nascer do dia
em manifestações de simplicidade
de esperança
de vontade de ser
de participar
no universo fazer o seu lugar...

sexta-feira, 16 de março de 2012

Saudade - Maria Bathania- intertexto



Maria Bethânia no Teatro Abril, em São Paulo. 10/12/2009
 Música "Saudade", de Chico César e Moska.

Saudade a lua brilha na lagoa
Saudade a luz que sobra da pessoa
Saudade igual farol engana o mar
E imita o sol
Saudade sal e dor que o vento traz

Saudade o som do tempo que ressoa
Saudade o céu cinzento a garoa
Saudade desigual
Nunca termina no final
Saudade eterno filme em cartaz

A casa da saudade é o vazio
O acaso da saudade fogo frio
Quem foge da saudade
Preso por um fio
Se afoga em outras águas
Mas do mesmo rio

-----------------------------------------------------------------------------------------
saudade (maude poesia)

saudade eterno tema
inspiração
saudade volta sempre
contramão
saudade como um rio
nunca pára de correr
saudade bem e mal
de se viver....

saudade gaveta fechada
precisa ser aberta sob o sol
saudade debaixo do lençol...

saudade sentimento
ternura
saudade infância
travessura
saudade crianças
brincando no quintal
saudade imenso pôr-do-sol...

saudade do que foi
do que será
saudade de um tempo que virá
saudade desafio
memória caminhar
saudade  momento
lugar...

quinta-feira, 15 de março de 2012

sopro

                                                                Lagoa dos Patos - photo by popa.com.br



do fundo da alma
sopro se faz
pensamento
desde profundo tempo
quer ser
saber
ter espaço...

no cotodiano
se expressa
atravessa vãos
rompe correntes
empertiga-se
dobra-se
alimenta-se
na compreensão
transita
desde o chão...

ah... ter sentido
ter saber do insabido
ter voz no silêncio
ter ouvido do mundo
não ver nem ouvir o nada
que compõe quase toda a estrada...

ah... entendimento
inintendível
inatingível
sopro se faz...

traz a aurora possibilidade
insone augúrio
lâmpada da adversidade
complexidade do tudo
emaranhado do nada...

longe a calma transpira
agita-se
quer a volta
para de novo habitar
eterno lugar...

incômodos cômodos do tempo
entrelaçados remendos
arremedos de partitura
sinfonia composta
disposta pra audição
expressão afinada
no sopro lagoa crispa
arrisca madrugada madrugar...

quarta-feira, 14 de março de 2012

Chico Buarque - Olhos nos olhos - intertexto



Apresentação de Chico Buarque em especial da Rede Bandeirantes em 1976.
Participação da Orquestra Bandeirantes sob regência de Francis Hime.
O video já começa na segunda estrofe do poema, mas Chico repete toda a composição, nos dando, assim, oportunidade de audição da belíssima composição por inteiro.
Perguntado sobre como compor desde a perspectiva feminina, como nesta música, Chico sorri e diz conviver com três filhas o que lhe facilita nesse sentido.

Olhos nos Olhos (Chico Buarque de Holanda)

Quando você me deixou, meu bem
Me disse pra ser feliz e passar bem
Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci
Mas depois, como era de costume, obedeci

Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode crer
Olhos no olhos, quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você eu passo bem demais

E que venho até remoçando
Me pego cantando
Sem mais nem porquê
E tantas águas rolaram
Quantos homens me amaram
Bem mais e melhor que você

Quando talvez precisar de mim
Cê sabe que a casa é sempre sua, venha sim
Olhos nos olhos, quero ver o que você diz
Quero ver como suporta me ver tão feliz

-------------------------------------------------------------------------------------------
olhos nos olhos (intertexto de maude poesia)

amores partem
partem-se corações
dividem-se sentimentos
antes compartilhados
resultam despedaçados...

quando partiste
fiquei triste
partida
nas constantes despedidas...

houve a partida final
afinal
longamente esperada
partida
para o resto da vida...

viver após a partida
desafio
fino fio reage
de esperança
bobagem...

parte-se de um ponto
para a tantos outros ir
projeta-se o passo amplamente
à frente
para não mais voltar
ao anterior lugar...

corpo parece desabar
desequilíbrio real
corda bamba total...

feriu-se a alma
mais ferir-se-ia
se tentasse voltar
se insistisse no continuar...

fica a lembrança
da vivência
ficam frutos
fica a partida
como um momento sem ar
na despedida de alguém
que vai viajar...

hoje no olhar ao passado
fica um tempo nublado
propício à meditação
será regra do mundo
dos costumes
inventada
ou possibilidade certa
de sempre a partida chegar...

olhos nos olhos
em profundo verbo amar
fico a pensar
que significado teve
que sentido sempre terá...

quando partiste
o céu ficou triste
tristes foram os dias
tristes as alegrias
constatações de ilusões...

quando partiste
consciência clarificou
coração desacreditou...

olhos nos olhos
em profundo verbo amar
fico a pensar
que significado teve
que sentido sempre terá..






 


sailing life

                                               Arroio Pelotas - photo by Nauto Junior in Retratos da Vida



encompassed pass
sometimes
leaves going yellow
all around
falling
flying in the wings
of the wind...

mirror of the river
makes me believe
there is much more
besides the sky
the water
the clouds
much more beyond nature...

autumn coming
over me
slowly
and a broken heart inside
sometimes...

sailing life
looking
thinking
feeling
alone in the way
going forward
gently
firmly
and seeing
now i see
an angel coming beside me...






magia da chuva

                                             Praia do Laranjal - Pelotas - RS - photo by Capincho Cumulus


turbilhão de quente temperatura
arrefece
céu escurece
chega a chuva
devagar
sem pressa parece
pra chegar...

chega de mansinho
pra não assustar o passarinho
pra não ferir a flor
murcha ao forte calor...

acalmam-se os pensamentos
na compreensão
ao sopro leve da brisa
depois de queimados
na tórrida sensação...

sempre magia traz a chuva
benefícios aguardados
pela humana criatura
também os animaizinhos
semtem-se sossegados
acomodados...

lava a alma a amargura
na água pura da chuva
renova a terra a energia
na rotação do dia...

alargam-se os sentimentos
lavados de perdas e lamentos...


terça-feira, 13 de março de 2012

Doce Pelotas




Pelotas é conhecida como a "Cidade do Doce" pela sua extensa produção doceira, notadamente artesanal.
Anualmente é realizada uma Feira do Doce, a FENADOCE que acolhe turistas nacionais e internacionais.
Divulgamos aqui um video que trata dessa especialidade pelotense, bem como mostra um pouquinho da "Princesa do Sul" - Pelotas.
O fundo musical é de dois artistas pelotenses, Kleiton e Kledir

Pelotas (Kleiton Ramil e Kledir Ramil)

Caminhando por Pelotas
Lembrei de quando eu nasci,
Um quarto da Santa Casa,
O palco do Guarany.
Contei paralelepípedos
A caminho da escola,
Sonhei ladrilhos hidráulicos,
Paredes de escariola.
Pião, bolinha de gude
Pandorga, ioiô, gibi,
Bici, carrinho de lomba,
Eu sou o mesmo guri.
Comi tanta pessegada,
Fios de ovos e bem-casados,
E pastéis de Santa Clara,
Que fiquei cristalizado.
E voei até a praça
Passei no Sete de Abril,
Os pardais faziam festa,
Naquela tarde de frio.
Tomei um café no Aquário
Bem quente pra ver se aquece,
Agradeci obrigado,
E a moça disse merece!
Andei até na Avenida
Entrei na Boca do Lobo,
Fui até à BAIXADA,
Pois era dia de jogo.
Naveguei pelo Porto
Fragata e Areal,
Três Vendas e São Gonçalo,
E Praias do Laranjal.
É muita guria linda
Eu fico até espantado,
Nunca vi tanta beleza,
Por cada metro quadrado.
O vento nos teus cabelos
Desenha outra escultura,
Junto à Fonte das Nereidas,
E aos traços da arquitetura.
Terra de todos meus sonhos
Princesa do Sul bonita,
O meu amor não tem fim,
Como uma rua infinita.
Pelotas minha cidade
Lugar onde eu nasci,
Ando nos braços do mundo,
Mas sempre volto pra ti

there will always be

                                                                     Lagoa dos Patos - RS - photo by popa.com.br



 there will always be
a dark side
of the soul
of the feelings
nowhere
no time
no nothing...

mind is night expression
heart in hard compassion...

there will always be
a screaming
a diving in the deep ocean
emotion...

for how long is the boat
on the waves
waiting for a storm
wishing there were affections
reactions
inside
deep inside the sea...

there will always be
a way for connection
with angels
with love feelings
with my soul and me...

passar a procissão


                             Procissão de N.S. dos Navegantes e Iemanjá na Lagoa dos Patos em Pelotas - RS- Brasil
                                                                             Photo by Paulo Rossi in Diário Popular

não só abrandam os sentidos
abafa o silêncio
outro emotivo lado
de ser de um jeito
com defeito
no comum modo de ver...

anda no ar
sente a vida perdidamente
ampla
de sentidos
de ouvidos
de olhos
de juízos
imprecisos
como todos são...

o palavrão se torce
na vontade de exprimir grito
mas não é bonito
esbravejar preciso
calar a voz do passante errante
gemendo em frente ao portão...

da alma é a voz que cala
geralmente
decente
conveniente
falar o aprovado
no vestibular
do lugar comum da verbosidade de hipocrisia
alma vazia
mente dormente
cara desfigurada
vida mascarada
ao tom de uma silente voz...

perco-me em laços
entrelaçados na confusão de ser
de ver a vida
sempre de partida
até a próxima estação...

ritos de ser
ritos de crer
ritos de viver
nos conturbados passos da constatação...

sentir obtuso
não deve ficar recluso
alenta a expressão da alma encarcerada
na sombra da calçada
vendo passar a procissão...

passos no mosaico

                                                                          photo by maude poesia                                    

passos no mosaico
pensam a história
de outros passos...

passos vagarosos
passos primorosos
infantis primeiros passos
adolescentes descompassos...

passos ecoam
do fundo dos tempos
lamentos de assombros
sorrisos de encontros...

passos compassados
adultos apressados
passos de silêncio
profunda madrugada
passos de invernada
passos de cuidados...

passos de vidas passadas
na história do mosaico
passos registrados...

segunda-feira, 12 de março de 2012

caminhos

                                                  photo by Giuliano Scheggi in sole pioggia vento


caminhos levam
caminhos trazem
bagagem...
decidimos...

caminhos de tempo frio
caminhos de vento
caminhos de ontem
de hoje
caminhos de muitos momentos...

aonde irei se pergunta
o viajante na estrada
caminharei mais uma dia
chegarei a minha morada...

caminhamos desde sempre
pelos caminhos da vida
amplos
estreitos
pavimentados
sossegados
escoregadios
apressados
o jeito vem
por herança
ou por desafio...

sorry


                                                                         photo by bonitasfotos.com      

sorry...
have to say
have to blame
have to try
have to apply
have to cry
have to hard understand
have to be
have to always see
the same...

ópera ligeira

                                     
                                                                Teatro Ópera de Arame, Curitiba - Paraná - Brasil


imerso sentir
densa neblina
nuvens e ventos
ampla natureza
beleza esconde
iluminação não ilumina...

olhar no céu
mente no infinito
viaja o grito
alma estrangulada
expressa o nada
carrega o abismo
adiante em curso
mortal a jornada...

andeja
aplaude
sorri
com elegância aflita
bendita luz
defaz a madrugada...

não sabe o sol
não entende a lua
nua se faz
crua se consome
ante explosão
de conteúdo incendiário
sobe o calvário
deságua em torrentes a paixão...

mel e fel se fundem
adiante o mundo se agita
conflito interno desampara
no temporal se prepara
enxurrada desaba em desalinho
sozinho à porta observa
invade a terra a energia...

interno turbilhão marca espaço
estende o braço para alcançar
galho solto a perambular no vazio
se não quer frio
há que agir ao sol...

não luta qualquer
inferno insiste
assiste à jornada
falsa ou verdadeira
na ópera ligeira
em que se faz a vida...

domingo, 11 de março de 2012

simplicidades

                                                                                photo by maude poesia

amo cantar o outono
amo cantar a vida
manifesta
na manhã aberta
ao azul céu em sinfonia...

amo a alegria dos joões-de-barro
cedo bailando nos fios
equilibristas contumazes
vorazes em alegria
cantando sabedoria...

aprecio a lida matinal
contentamento veemente
animaizinhos buliçosos
querem o carinho da gente
também o alimento
claro... isso é urgente...

sorrio ao perceber
essas simplicidades
da vida gostoso amparo
no retorno sempre expresso
da energia do universo...

sábado, 10 de março de 2012

nosso chão


                                                                                    photo by maude poesia


nosso chão
nosso lar
nossa terra
nossa gente
nosso lugar...

ideal... não...
idealizar é perder
quando se precisa
conhecer
compreender
participar
colaborar
para aprender a amar...

se na terra se põe a mão
retorno é sabedoria
depois da reflexão
valor eterno do bem
que na vida felizes nos mantêm...

sexta-feira, 9 de março de 2012

ritmo de dança


Ana Botafogo - bailarina e coreógrafa brasileira
                                              
anda no ar um sonho inquieto
anjo de perto segue certamente
ampara contente inspiração tardia
desde a manhã até o fim do dia...

compreende a vida
entende o tempo
vagueia a alma
em sintonia fina
apoia a rima
rega a semente no jardim...

distante tempo de recordações
presente tempo de ações
de fazer amplo
de fazer pleno
de fazer sereno
de determinações...

não nasce o dia a se lamentar
não anda a tarde a chorar
ainda cedo
não calam ao medo
não suprimem o sonho...

entardecer de brisa
defaz o calor assombrado
de março em mormaço
sempre presente...

...e a vida da gente segue
em ritmo de dança
de passo lento
ou apressado
sempre buscado
no andar diário
de viva esperança...

quinta-feira, 8 de março de 2012

interno canto do silêncio


                                                                        painting by Aldemir Martins (1922/2006) Brasil

silêncio...
ouve o coração
o galo a cantar
som vem da alma
na calma manhã...

canto de cantar interno
canto de cantar silente
canto de recordação
canto da gente...

sons perdidos na memória
fazem parte da história
alicerçam a vida
trazem saudade ao surgir...

sons percorrem ruas
escutam lugares
escola
casa
animais
sala de jantar
mesa posta
sopa de legumes da horta
cultivada por meus pais...

sons das brincadeiras
sons da natureza
sons da lida no pátio
sons das vacas
das galinhas
das ovelhinhas
sons de infância feliz
sons me fazem aprendiz...

cora coralina e o dia internacional da mulher


                                                                     Cora Coralina (1889/1985) - Goiás - Brasil

Hoje se comemora o Dia Internacional da Mulher.
Sou meio avessa a esse tipo de comemoração.
Dia disto, dia daquilo.
Coincidentemente todos os "issos" e "aquilos" sofrem preconceito em alguma instância, se não em todas... Por isso algum dia lhe é dedicado, como para que haja algum tipo de desculpa, bem como para que haja consumo de bens e serviços variados...
No entanto, já que esse dia está aqui, quero fazer uma simples homenagem, na figura singela, serena, forte e inspirada da poetisa e contista brasileira Cora Coralina (1889/1985) a todas as mulheres do mundo, assim como a todos os homens que se deixam tocar pela gentileza, pela amabilidade, pela serenidade, pela amorosidade, dando assim, a maior prova de sua masculinidade!
Que dirigentes, políticos e pessoas em geral abrandem seus corações e mentes pela afetividade, não só no dia de hoje, mas em todos os dias de suas vidas, para que tenhamos um mundo mais justo, mais amável, mais caloroso, mais feliz!
Um forte abraço!


Considerada uma das principais escritoras brasileiras, Cora Coralina, poetisa e contista, teve seu primeiro livro, "Poemas dos becos de Goiás", publicado aos 76 anos!

Mulher simples, doceira de profissão, viveu longe dos centros urbanos, alheia a modismos literários.
Sua obra poética é rica em motivos do interior brasileiro, principalmente, dos becos e ruas históricas de Goiás.


Quando um reporter lhe perguntou o que é viver bem, ela lhe falou:

"Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice. E digo pra você, não pense.
Nunca diga estou envelhecendo, estou ficando velha. Eu não digo. Eu não digo que estou velha, e não digo que estou ouvindo pouco.
É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso.

Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida. O melhor roteiro é ler e praticar o que lê. O bom é produzir sempre e não dormir de dia.
Também não diga pra você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais.
Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima. Eu não digo nunca que estou cansada.

Nada de palavra negativa. Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica.
Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então silêncio!
Sei que tenho muitos anos. Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha, não. Você acha que eu sou?

Posso dizer que eu sou a terra e nada mais quero ser. Filha dessa abençoada terra de Goiás.
Convoco os velhos como eu, ou mais velhos que eu, para exercerem seus direitos.
Sei que alguém vai ter que me enterrar, mas eu não vou fazer isso comigo.

Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.

O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade.
Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça. Digo o que penso, com esperança.

Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor. Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.

Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir."
 


 


O CÂNTICO DA TERRA (Cora Coralina)
Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranqüila ao teu esforço.
Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranqüilo dormirás.

Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.


E, desde então, caminhamos
juntos pela vida...






quarta-feira, 7 de março de 2012

luas de mim

                                                                                                          photo by maudepoesia


branca lua
lua cheia
de graça
de luz
de esperança...

lua criança
a correr
a pensar-te
como um queijo...

lua da maísa
olha a lua vovó
lua do coração
lua da emoção...

lua escura
lua escultura
lua indefinida
lua esquecida...

lua sem graça
lua pirraça
lua do sem fim...

lua do agora
lua do meu cantar
lua do meu iluminar
lua do meu sonhar...

estrela do mar

                                                                                       photo by fotoseimagens.etc.br


vou mergulhar no mar
lavar a alma no sal do oceano
caminhar descalça nas ondas
respirar o sol e o ar...

ah... espera mãe iemanjá
teu pedido tá registrado
teu sonho já tá sonhado
na pequenina conchinha
com que brinca a estrela do mar...

terça-feira, 6 de março de 2012

energia do olhar

                                                                                             photo by LCVaz

energia não se vê
não precisa crer
apenas sentir...

energia da amizade
energia da afetividade
energia do bem querer...

energia ruim se descarta
como inútil carta
pra retirar seu poder...

aprecio a energia do olhar
sempre evidente
olhar de suavidade
olhar de esperança
olhar de acolhimento
olhar não se desfaz no vento...