domingo, 28 de agosto de 2011

olhar em revolução

aquieta-se a tempestade
inquieta-se a alma
na esperança dança a natureza
em expressão aquecem-se corpos
despertam sonhos
amplia a luz o espaço
abraço descoberto
incerto equilíbrio
mergulho amotinado
alado olhar
olhar na estação
olhar em revolução...

domingo, 21 de agosto de 2011

poesia a essa hora...

ousadia
poesia a essa hora...

alegria
poesia em expressão...

enche-se a barriga da alma
em ritmo de leve canção...

faz-se o sorriso na face
ou a tez escurece em dor...

sabor de coragem exposta
odor de botão em flor...

delírio em vocábulo aberto
da lua ao sol escaldante
da estação adolescente
até o inverno feito em frio
vazio em céu pleno de estrelas
controvérsia arregaçada
debruçada a nuvem espia
vadia em caminhada
assombrada ao meio do dia...

canta mas não explica
esmigalha na rima atriz
aprendiz do enfeitiçado agora...

ousadia
poesia a essa hora...

sábado, 20 de agosto de 2011

ilusão do tempo III

frases vazias
significado ausente
de verdade...

tempo infinito
grito se perdeu...

presente divino
conquista pessoal
saber não carece...

primavera na alma
calma de outono
coração adolescente
esperança crescente...

palavras de sentido
ou de nenhum
outro tempo
momento de semear
tempo de colher...  

domingo, 14 de agosto de 2011

ilusão do tempo II

é de manhã
vento frio
assobio
sangram lágrimas os olhos...

é de tarde
arde o peito em agonia...

faz-se noite
aragem desperta
coberta a lua espia...

vazia faz-se a madrugada
enxurrada de espanto
pranto desfaz o tempo...

simples e comovida oração

levaste-me ao colo
deste-me a tua mão
impediste-me do erro
tantas vezes...

nas moléstias a homeopatia
à mesa nunca vazia
perfume de horta e de pão
em doses medidas a compreensão...

roupa limpa e perfumada
de patchouli a fragrância
elegância e apurada honestidade
ensinaram-me a verdade...

na distância da partida
ensinas-me todo o dia
quem eu sou
e o que faço nesta vida...

ao pai dos pais então
pelo meu pai agradeço
em simples e comovida oração...




sábado, 13 de agosto de 2011

namoremos então...

nas flores do pequeno pessegueiro
primavera...

no vento que descabela
primavera...

toda a natureza transformada
no calor da madrugada...

aves em gorjeios insistem
chega nova estação
namoremos então...