sábado, 14 de maio de 2011

doce companhia

árvores em bandos cobertas
abertas as portas da alma
vê-se um rio em ondas claras
amarras soltas... desafias...

rangidos... ruídos... esmorecem...
emergem destroços
esforços precisos
recusa-se sono simplesmente
ardente chega a alegria

fria a noite de paixões serena
amena estrada
doce companhia...

Nenhum comentário: