quinta-feira, 14 de abril de 2011

do ar

do ar de chuva
ao chão molhado
tempo
à seca terra

do árido espaço
ao abraço orvalhado
em meio à estação

cantigas doídas
ou meras valsinhas
no fim do verão

Nenhum comentário: